O Alzheimer afeta milhões de pessoas em todo o mundo, e pode ocorrer com qualquer familiar ou ente querido. Embora cada pessoa possa experimentar a doença de maneira diferente, existem alguns sinais comuns que podem indicar a fase final da doença. Neste artigo, exploraremos esses sintomas finais e discutiremos como apoiar alguém que está enfrentando situações tão desafiadoras como essas.


Enfrentando os desafios: lidando com as mudanças comportamentais e emocionais

Lidar com as mudanças emocionais de um idoso com Alzheimer é um desafio que requer sensibilidade e compreensão. À medida que a doença progride, é comum que o idoso experimente uma variedade de emoções intensas, como confusão, ansiedade, frustração e até agressividade. Nesses momentos, é fundamental manter a calma e adotar uma abordagem gentil e paciente.

Uma das estratégias mais importantes é manter rotinas consistentes, pois isso pode proporcionar uma sensação de segurança e estabilidade ao idoso. Além disso, é essencial validar seus sentimentos, mesmo que você não concorde com eles. Reconhecer e aceitar as emoções do idoso pode ajudar a reduzir a ansiedade e a frustração.

É importante também evitar confrontos e tentar redirecionar a conversa para algo mais positivo, caso a situação se torne tensa. Oferecer apoio emocional e estar presente para ouvir pode ser reconfortante para o idoso. No entanto, se as mudanças emocionais do idoso estiverem causando dificuldades significativas, é importante considerar a busca de ajuda profissional. Um profissional de saúde mental especializado em cuidados de Alzheimer pode oferecer orientação e suporte adicionais.


Reconhecendo a degeneração cognitiva: sinais de declínio mental nos estágios finais

Nos estágios finais do Alzheimer, os sinais de declínio mental são mais evidentes e incluem uma série de sintomas que afetam profundamente a capacidade cognitiva, física e emocional do indivíduo. Alguns dos sinais mais comuns incluem:

  • Declínio da memória: A perda de memória é um dos sintomas mais característicos do Alzheimer e se torna mais evidente nos estágios finais. O idoso pode não reconhecer membros da família ou amigos próximos.
  • Dificuldade de comunicação: A capacidade de falar e entender a linguagem pode ser gravemente afetada. O indivíduo pode ter dificuldade em formar palavras ou expressar pensamentos.
  • Desorientação temporal e espacial: O indivíduo pode ficar desorientado em relação ao tempo, lugar e pessoa, não reconhecendo onde está ou como chegou lá.
  • Dificuldade em realizar tarefas cotidianas: Tarefas simples do dia a dia, como se vestir ou comer, podem se tornar extremamente desafiadoras.
  • Mudanças de personalidade e comportamento: O indivíduo pode apresentar alterações de humor, como depressão, irritabilidade ou apatia, além de comportamentos desinibidos ou agressivos.
  • Perda de habilidades motoras: A coordenação motora pode ser afetada, tornando difícil a realização de movimentos simples, como andar ou segurar objetos.
  • Problemas de saúde associados: Nos estágios finais, o Alzheimer pode levar a complicações de saúde, como infecções, problemas de deglutição e perda de peso.

É importante notar que os sintomas podem variar de pessoa para pessoa e nem todas as pessoas com Alzheimer experimentarão de todos citados acima. 


A importância do apoio emocional: oferecendo suporte durante os estágios finais

Na fase terminal da doença, o paciente pode estar enfrentando uma série de desafios emocionais, incluindo confusão, medo, ansiedade, frustração e até depressão. O apoio emocional pode ajudar a aliviar esses sentimentos e melhorar a qualidade de vida do paciente.

Para o idoso, o apoio emocional pode proporcionar conforto, segurança e uma sensação de conexão com os outros. Pode ajudar a reduzir a ansiedade e o estresse, melhorando assim o bem-estar geral. Além disso, esse suporte contribui para o paciente se sentir mais compreendido e aceito, mesmo quando a comunicação verbal é limitada.

Para os cuidadores e familiares, esse apoio é igualmente importante. Cuidar de alguém com Alzheimer nos estágios finais da doença pode resultar em um desgaste emocional muito grande. Ter com quem contar ajuda no estresse, ansiedade e cansaço, além de oferecer um espaço para compartilhar experiências e sentimentos com outras pessoas que estão passando pela mesma situação.

O apoio emocional também pode ajudar a fortalecer os laços familiares e a promover um ambiente de cuidado e compaixão. Isso pode ser especialmente importante para garantir que o paciente receba o melhor cuidado possível até o final de sua vida.


Manutenção da dignidade: preservando a autonomia e a identidade do paciente

Uma maneira de preservar a autonomia e identidade do idoso com Alzheimer é encorajando sua participação em atividades simples do dia a dia, mesmo que com assistência, para que se sintam úteis e capazes. Respeitar suas preferências é igualmente importante, seja na escolha de roupas, alimentos ou atividades recreativas.

Outras maneiras de realizar isso é promover a comunicação, mesmo que a verbalização esteja comprometida. Incluir o paciente em decisões que afetem sua vida, como a escolha de roupas ou a hora do banho, pode ajudar também a preservar sua sensação de controle e autonomia.

Criar um ambiente familiar e reconfortante também é fundamental. Manter objetos pessoais, como fotos e pertences queridos, contribui para manter a conexão com sua identidade. 

Por fim, é importante celebrar a identidade do paciente, lembrando momentos significativos de sua vida e valorizando suas conquistas pessoais. Essas ações vão contribuir diretamente para seu bem-estar emocional e qualidade de vida.


Compreendendo a agitação e a agressão: lidando com comportamentos desafiadores

Primeiramente, é importante manter a calma e evitar reagir com raiva ou frustração. Lembre-se de que o comportamento desafiador é resultado da doença e não da vontade esporádica do idoso. Identificar a causa do comportamento é fundamental. Pode ser desconforto físico, confusão, medo ou frustração. Uma vez identificada a causa, você pode tentar abordá-la de maneira mais eficaz.

Redirecionar a atenção do paciente para outra atividade ou assunto contribui para mantê-lo distraído e acalmar os ânimos. Use uma linguagem calma e simples ao se comunicar com o paciente, evitando argumentar ou tentar convencê-lo com lógica, o que pode aumentar a frustração.

Manter uma rotina diária ajuda a reduzir a ansiedade e a confusão do paciente. Tente manter horários regulares para as refeições, atividades e descanso. Oferecer ao paciente escolhas simples, quando possível, faz com que ele se sinta no controle sobre a sua vida. 

Se os comportamentos desafiadores persistirem ou forem muito intensos, é importante buscar ajuda profissional. Um médico especializado em Alzheimer pode oferecer orientações e sugestões específicas para lidar com esses comportamentos.


Apoiando a família e os cuidadores: cuidando dos que cuidam

Apoiar a família e os cuidadores de pacientes com Alzheimer nos estágios finais da doença é fundamental, pois eles enfrentam uma jornada emocionalmente desgastante e cheia de desafios. Essas pessoas muitas vezes lidam com sentimentos de tristeza, estresse, culpa e isolamento. 

Oferecer uma escuta atenta e empática ajuda os entes queridos a expressar seus sentimentos e preocupações, proporcionando um senso de alívio e validação. Além disso, oferecer ajuda prática, como cuidar do paciente por algumas horas para que possam descansar, preparar refeições ou ajudar nas tarefas domésticas, reduzindo sua carga de trabalho e permitindo que cuidem melhor de si mesmos.

Fornecer informações sobre a doença e os recursos disponíveis, como grupos de apoio e serviços de assistência, pode ajudar os entes queridos a se sentirem mais capacitados e informados sobre como lidar com a situação. Respeitar suas decisões em relação aos cuidados do paciente e encorajá-los a cuidar de si mesmos também são aspectos importantes do apoio.

Na Personale, são mais de 300 pacientes atendidos e mais de 800.000 horas de atendimento com Alzheimer. Nossa atuação tem foco no cuidado humanizado, estimulando a autonomia dos pacientes com respeito às suas necessidades e capacidades.

Se você tem um familiar idoso que precisa de cuidados, ou está enfrentando dificuldades em gerenciar seus cuidadores, conte com nossa estrutura e experiência para oferecer o melhor cuidado para quem você ama.

Aqui na Personale Saúde você pode definir os dias e horários do atendimento, sem fidelidade e sem carência. Oferecemos flexibilidade para solicitação de mais dias e horários, ou ainda a suspensão de algum atendimento já agendado para que não haja cobranças.

× Fale Conosco