• 29 de abril de 2022
  • José Eduardo Guterres
  • 0

As quedas em idosos são muito comuns, mas não devem ser encaradas como normais ou naturais no processo de envelhecimento. Muito pelo contrário! As quedas em idoso são um problema de saúde pública! Estes eventos são devastadores para a saúde física e emocional dos idosos, comprometendo sua autonomia e independência, ou ainda podendo causar a morte do idoso.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS),  “queda é o deslocamento não intencional do corpo para um nível inferior à posição inicial, com incapacidade de correção em tempo hábil.” 


DADOS E ÍNDICES SOBRE AS QUEDAS

Entre os idosos, a OMS informa que cerca de 28% a 35% das pessoas com mais de 65 anos de idade sofrem quedas a cada ano. Já nas pessoas com 70 anos ou mais sa taxa aumenta para cerca de 32% a 42%. 

A frequência das quedas aumenta com a idade e o nível de fragilidade. Idosos que vivem em casas de repouso caem com maior frequência do que os que vivem na comunidade. Aproximadamente 30% a 50% das pessoas que vivem institucionalizadas sofrem quedas, a cada ano, e 40% delas experimentam quedas recorrentes.

No Brasil, 30% dos idosos caem pelo menos uma vez ao ano. Para idosos com mais de 80 anos o percentual sobe para 40% e para todos os idosos cerca de 70% das quedas acontecem dentro de casa. Além disso, quanto maior a idade, maior o risco da queda e de suas complicações.

As lesões acidentais são a sexta causa de morte em idosos e as quedas são responsáveis por 70% das mortes acidentais em pessoas com 75 anos e mais.

A queda entre idosos é um fator de grande relevância social para a saúde pública, pois constitui uma das principais causas de lesões, traumas, hospitalização e óbito nessa faixa etária. Além disso, esses eventos contribuem para o declínio funcional e diminuem a autonomia, com reflexos diretos na qualidade de vida do idoso.


IMPACTOS E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEDAS NA SAÚDE DOS IDOSOS

Cair uma ou várias vezes causa impactos sérios na vida do idoso, pois as quedas podem ocasionar lesões, fraturas, internações hospitalares e até a morte, principalmente em idosos com comorbidades pré existentes (diabetes, hipertensão, osteoporose, entre outras) e também naqueles que possuem dificuldades em realizar suas atividades de vida diária (vestir-se, comer, andar, entre outras).

A principal complicação decorrente das quedas é a perda de independência e autonomia, uma vez que a mobilidade do idoso é comprometida com a redução da função física, o medo de cair novamente e o medo da institucionalização (internação em clínicas e casas de repouso para idosos).

Além disso, percebemos impactos na saúde mental do idoso após as quedas, pois o medo de cair novamente, faz com que o idoso se isole e evite as atividades da vida cotidiana que podem fazê-lo cair novamente, como tomar banho, passear ou cuidar da casa. Em médio prazo, essas limitações causadas pelo receios de novas novas e falta de confiança em si mesmo, agravam a condição física do idoso e aumentam ainda mais o risco de novas quedas.

Você sabia? Mais da metade das quedas dos idosos resultam em lesões (quadril, fêmur, úmero, punho, pelve e outros). Após uma queda com fratura de quadril, 5% dos idosos morrem durante a hospitalização. Para os sobreviventes, a taxa de mortalidade nos 12 meses seguinte fica entre 18 e 33%.

Outro fator decorrente da queda que prejudica e agrava o quadro de saúde dos idosos é que metade dos indivíduos com 65 anos ou mais que caem não conseguem se levantar sem ajuda de outras pessoas. Quando se trata de um casal de idosos em que o cônjuge precisa auxiliar, o risco aumenta para o idoso que caiu e o idosos que vai ajudar a levantar. Mas permanecer no chão por 2 horas ou mais após a queda pode causar a desidratação, lesões na pele (úlceras de pressão), rabdomiólise (ruptura do tecido muscular que libera mioglobina no sangue, podendo afetar os rins), hipotermia e até mesmo pneumonia.

Portanto, como visto acima, as quedas impactam seriamente na independência, na autonomia e na qualidade de vida dos idosos, podendo prejudicar sua mobilidade, força física, estado emocional e psicológico. Por isso, falamos tanto em prevenção de quedas e da importância do cuidador que de idosos que desempenha o papel de auxiliar no idoso nas suas atividades, proporcionando segurança e evitando as quedas, além de oferecer suporte social e emocional.


CAUSAS DAS QUEDAS EM IDOSOS

Não existe um motivo específico para as quedas entre os idosos, o que sabemos é que há fatores de risco que influenciam nos riscos, incidências e consequências das quedas. Com o avanço da idade, a perda de musculatura (sarcopenia), fraqueza, distúrbio neuroólogicos, doneças crônicas, efeito de medicamentos, dimunuição da visão e o ambiente contribuiem par as quedas dos idosos.

Podemos dividir as causas em fatores intrínsecos, extrínsecos e situacionais. Confira abaixo estes fatores:

  • FATORES EXTRÍNSECOS: são aqueles relacionados ao ambiente em que o idoso está, como pisos escorregadios, escadas, rampas, iluminação inadequada, tapetes, objetos no chão, animais de estimação e outros.

  • FATORES INTRÍNSECOS: o envelhecimento causa alterações naturais no corpo humanos, e estas alterações podem contribuir para a quedas, como perda de força, diminuição da massa muscular, desequilíbrio, tonturas, perda de acuidade visual, doenças crônicas, agudas e degenerativas, além dos efeitos  adversos causados por uso de alguns medicamentos.

  • FATORES SITUACIONAIS: são aquelas situações em que, associadas aos fatores intrínsecos e extrínsecos, aumentam o risco da queda, como levantar à noite para ir ao banheiro, correr para atender algum telefone, distração enquanto realiza mais de uma tarefa simultaneamente (andar e falar) e a distração para os perigos ambientais (não perceber um degrau).

Logo, percebemos que as causas das quedas são multifatoriais e não há como indicar apenas um destes fatores como responsáveis por estes acidentes, mas a soma de todos os fatores causam as quedas. Portanto é fundamental estar sempre atento às alterações decorrentes do processo de envelhecimento e trabalhar com a prevenção multifatorial.


COMO PREVENIR QUEDAS EM IDOSOS

Como vimos acima, existem diversos fatores que influenciam nas quedas e, nesta perspectiva, a prevenção deve ocorrer para todos estes fatores. O foco das ações preventivas deve estar na diminuição do número de quedas futuras para preservar ao máximo a autonomia e independência do idoso.

Confira abaixo as principais ações para prevenir a queda do idoso em casa ou na rua:

ADAPTAÇÃO DO AMBIENTE

Para reduzir os riscos ambientais, adaptar a casa para idosos é muito importante e oferece maior autonomia, qualidade de vida e bem-estar. As dicas são evitar tapetes e fios pelo chão; deixar as áreas de passagem livres de mesas, plantas e outros objetos; instalar barras de apoio nos corredores e banheiro; ajustar a iluminação para melhor visão do piso, móveis e obstáculos; evitar escadas e rampas; evitar armários muito altos para que o idosos não precise subir em bancos ou escadas; colocar um abajur ou interruptor ao lado da cama; 

FISIOTERAPIA E EXERCÍCIOS

Um programa de exercícios adequados elaborado por profissional fisioterapeuta pode melhorar marcha, postura e equilíbrio, além de garantir o fortalecimento muscular. As sessões de fisioterapia podem ser realizadas no conforto de casa com a mesma estrutura e qualidade de consultórios.

Na Personale Saúde você conta com uma equipe de fisioterapeutas altamente especializados para realizar atendimentos no conforto de sua casa. SAIBA MAIS CLICANDO AQUI

DISPOSITIVOS DE ASSISTÊNCIA

Com a perda de força e equilíbrio durante o processo de envelhecimento, os dispositivos de apoio (bengala, andador, etc.) oferecem um reforço na segurança do idoso para caminhar e realizar suas tarefas cotidianas. A bengala oferece apoio unilateral para quem possui algum comprometimento muscular ou de articulações. Já os andadores são dispositivos mais apropriados para os idosos com maior risco de queda, seja por perda de força, coordenação prejudicada, sequelas motoras pós AVC e outros. O fisioterapeuta é indispensável para avaliar o melhor dispositivo e ajustar a regulagem conforme a necessidade e limitação de cada idoso.

MEDICAMENTOS

Alguns medicamentos utilizados por idosos podem aumentar significativamente o risco de queda, pois causam tonturas, alterações da visão e sonolência. Analgésicos e psicoativos (antidepressivos, antipsicóticos, etc.) prejudicam o processamento central e reduzem o sistema de alerta. Já os anti hipertensivos e diuréticos, podem prejudicar a perfusão cerebral. Por isso é muito importante que um médico ou outro profissional  da área da saúde analise os medicamentos em uso para identificar um possível aumento no risco de quedas por estes medicamentos.

CUIDADOR DE IDOSOS

O cuidador é uma figura essencial na prevenção de quedas em idosos, pois este profissional oferece todo suporte físico e emocional para o idoso em suas rotinas. Existem vários fatores que contribuem para a queda, mas o cuidador de idosos é indispensável para assegurar ao idoso o auxílio e segurança na realização de todas as suas atividades, seja em casa ou em atividades externas, como passeios, consultas médicas e exames.


COMO CONTRATAR CUIDADORES PARA EVITAR QUEDAS

A profissão de cuidador de idosos ganhou muito destaque no cenário nacional nos últimos anos e apresentou crescimento de mais de 500%. Portanto é muito fácil encontrar cuidadores disponíveis no mercado. No entanto, a grande dificuldade das famílias é encontrar justamente a pessoa certa – com habilidades e competências necessárias – para cuidar das necessidades e expectativas de seu familiar idoso em casa.

Além disso, o processo de contratação, gestão e pagamento dos cuidadores é uma tarefa que exige muito tempo e paciência da família, mas que causa inúmeras situações de estresse e desgaste emocional para as famílias, como gerenciar folgas, atestados, férias e todo trâmite burocrático, além dos altos custos com salário, transporte, férias, 13º salário e outros encargos pertinentes à contratação. Confira o passo-da-contratação de um cuidador clicando aqui.

Pensando nisso, a Personale Saúde oferece há mais de 25 anos a melhor experiência na contratação de cuidadores para mais de 2.000 famílias e também a melhor experiência em cuidado humanizado para os idosos no conforto de casa. Cuidamos de todo o processo de contratação, gestão, pagamento e supervisão da equipe de cuidados, aliviando o estresse da família.

Fale com um de nossos especialistas em atendimento domiciliar e conheça as nossas soluções que vão garantir o melhor cuidado para quem você ama, com toda a tranquilidade e segurança para a família, através de planos de atendimentos personalizados, com dias, horários e perfil de profissional adequado às suas necessidades e expectativas!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

× Quero Contratar