• 28 de outubro de 2021
  • joseguterres
  • 0

Após um Acidente Vascular Cerebral, é comum o paciente ficar com algumas sequelas, como paralisia de um lado do corpo, dificuldades na fala, cognição e outras complicações físicas e motoras. Mas ainda assim, a recuperação é possível. 

No entanto, o período de recuperação depende muito de pessoa para pessoa, do tipo de AVC e o nível de comprometimento que este causou. Por isso, o tratamento deve ser iniciado o mais cedo possível para que o paciente retome as atividades diárias e funções que ficaram comprometidas.

Para isso, normalmente, é criado um plano de reabilitação tendo como base as áreas afetadas – por exemplo, capacidade de falar, de escrever, de orientação no espaço, memória, força ou sensibilidade. A partir desse plano, é possível definir as estratégias de tratamento (como medicação, procedimentos cirúrgicos ou tratamentos de fisioterapia e outras terapias).

Nesse processo, embora cada paciente reaja de forma diferente ao AVC, a rotina de cuidados tende a ser semelhante – onde envolve, geralmente, cuidados com a alimentação, movimentação, medicação, banho e higiene, etc. Essas demandas acabam exigindo bastante dos familiares que, por vezes, não conseguem contemplar todas as necessidades oriundas do tratamento. 

Por isso, contar com um cuidador de idosos especializado na reabilitação da doença ajuda significativamente os familiares a lidarem com a situação – promovendo, junto a isso, um atendimento de qualidade para o paciente. Além disso, a supervisão do cuidador por um profisisonal especialista, como um enfermeiro, traz maior qualidade e segurança às rotinas de cuidado.

Para entendermos melhor a importância da presença desse profissional, é preciso entender, primeiro, no que consiste essa rotina de cuidados e quais as principais demandas que o AVC tende a desenvolver. 


Cuidados para pacientes com AVC

Alimentação

Hoje sabe-se que uma alimentação equilibrada e saudável é a chave para a prevenção do AVC. Mas após o acidente, esta também deve ser a primeira opção na rotina de cuidados – para, neste caso, evitar que ocorra novamente. 

Após a alta hospitalar, é preciso ter uma alimentação que traga benefícios para a fase de recuperação. Pois, caso ela seja pouco ou muito restritiva, a pessoa que sofreu o AVC corre o risco de sofrer o acidente novamente, ou perder bastante massa magra e não adquirir a força necessária para a reabilitação. Um equilíbrio na alimentação evitará essas perdas.

Para tal, o acompanhamento do nutricionista vai analisar essas questões de forma personalizada, desenvolvendo uma alimentação que vá de acordo com as necessidades do paciente e suas dificuldades enfrentadas a partir do derrame. Nessa dieta estabelecida pelo profissional, frequentemente é indicado ao paciente alimentos ricos em fibras, cereais, vegetais, grãos e tudo aquilo indispensável para a sua recuperação. 

Nos casos em que o paciente apresenta dificuldades de ingestão, devido às sequelas, alimentos líquidos ou consistentes cedem lugar às texturas mais pastosas – caso isso aconteça eventualmente, é necessário passar uma sonda enteral ou fazer gastrectomia e, nestes casos, os cuidados com equipe técnica de enfermagem é indispensável para garantir o cuidado correto com a sonda de alimentação.

Movimentação

Imediatamente após o AVC, é comum ocorrerem alterações motoras – principalmente como forma de paralisia. 

A paralisia é uma das disfunções mais comuns e ocorre no lado contra-lateral à região do cérebro afetada, envolvendo parte ou mesmo toda a metade do corpo, podendo ser total (hemiplegia) ou parcial (hemiparesia). O paciente pode apresentar também problemas de equilíbrio e/ou coordenação.

Além disso, é comum, posteriormente, o paciente desenvolver um aumento desproporcional da contração muscular de forma involuntária (chamada de espasticidade), deixando os membros em posturas inadequadas – como mãos sempre fechadas ou ombros contraídos, podendo causar dor e desconforto.

Nesses casos, o acompanhamento dos profissionais da neurologia e fisioterapia – para estimular as áreas afetadas do cérebro e trabalhar as condições físicas e cognitivas – é fundamental. Tendo como princípio a promoção da qualidade de vida através da recuperação do paciente e a retomada de sua autonomia. 

No mais, referente a movimentação, a questão do transporte da pessoa acamada é muito importante. Isso porque qualquer movimento mal executado pode comprometer ainda mais a saúde do paciente.

Sendo assim, vale a pena contar com equipamentos médicos e com uma ajuda profissional especializada, para auxiliar na locomoção do paciente e garantir as devidas recomendações de como fazer o transporte de maneira correta – evitando que haja complicações nesse processo.  

Alguns equipamentos como cama hospitalar, cadeira de rodas, cadeiras de banho e guincho de transferência podem facilitar esse trabalho – proporcionando  mais segurança e conforto tanto para o paciente como para o cuidador. 

Banho e Higiene

O cuidado com os pacientes após um AVC vai além da medicação e do tratamento estabelecido pelos médicos responsáveis. É preciso ter carinho e atenção, afinal de contas, em muitos casos, a pessoa afetada também sofre psicologicamente com a situação.

Por isso que a higiene é, acima de tudo, uma questão de saúde. No caso de acamados, o cuidador deve ficar atento à limpeza de machucados e áreas afetadas por traumas ou lesões por pressão, como forma de evitar o agravamento das lesões por infecções ou contaminação.

Além disso, é necessário ter atenção quanto aos hábitos de higiene diários do paciente ou do familiar. Pois aqueles pacientes que usam fraldas geriátricas precisam ser trocados com frequência e a pele deve ser bem higienizada e hidratada para evitar assaduras ou o aparecimento de lesões.

O ideal é que ocorra a higienização uma vez por dia, mantendo o banho com a mesma frequência com que a pessoa tomava banho antes do acidente – claro, se possível. No entanto, questões como lavar o cabelo, embora seja igualmente importante, não precisa ser feita todos os dias – mas após lavá-lo, deve-se secar com um secador para evitar a umidade. 

Pra finalizar esse tópico, enfatizamos que, após dar banho na cama, é importante passar creme hidratante no corpo, colocar desodorantes nas axilas, pentear os cabelos e tentar, ao máximo, aumentar o conforto e a autoestima do paciente – evitando, também, problemas como pele seca, lesões ou infecções de fungos, por exemplo. No mais, além do banho, escovar os dentes também é importante. 


Acompanhamento de equipe multidisciplinar

Dito isso e acompanhando todos esses cuidados citados acima, o paciente de AVC precisa ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar que irá cuidar de todas as etapas do processo de reabilitação, tratando as sequelas físicas e psicológicas resultantes da doença.

Nessa equipe, é fundamental que haja profissionais como:

Fisioterapeutas

A fisioterapia vai permitir ao paciente de AVC readquirir o uso dos membros afetados, desenvolvendo mecanismos compensatórios para reduzir o impacto dos déficits residuais e estabelecer uma conduta de exercícios que irão manter as novas capacidades adquiridas. 

Este é o melhor recurso para reabilitação física e traz inúmeros benefícios, com o objetivo principal de fazer com que o paciente possa readquirir suas capacidades perdidas, tornando-o novamente independente e restabelecendo sua qualidade de vida. 

Enfermeiros

No processo de cuidar do paciente em reabilitação do AVC, a maior relevância desta assistência é o papel do enfermeiro como educador tanto para o paciente, seus familiares e cuidadores, onde é prestado serviços de enfermagem com qualidade, baseados em pesquisas científicas e no ato de cuidar. 

Ou seja, o processo de trabalho dos enfermeiros se dá de forma a intervir por meio de medidas preventivas e educacionais – com o objetivo de proporcionar a regressão da doença junto com o processo de reabilitação, visando uma contribuição significativa na recuperação e segurança do paciente.

Os profissionais da enfermagem oferecem essas orientações e cuidados desde do atendimento primário, tendo como base a melhoria nas intervenções e práticas assistenciais prestadas a estes pacientes. 

Médicos

Os neurologistas e geriatras são os médicos que mais têm contato com o paciente após o AVC. 

Por exemplo, no que se refere ao diagnóstico, os neurologistas são os profissionais responsáveis, diferenciando, desde o início, o AVC isquêmico do AVC hemorrágico. Essa especialidade é muito importante para reconhecer os danos causados pelo acidente e, a partir daí, indicar o tratamento adequado e acompanhar o dia a dia do paciente. 

No mais, médicos das áreas de geriatria, fisiatria, fonoaudiologia, nutrição, cuidados paliativos, dentre outros, também são fundamentais na rotina do paciente e dos familiares.

Nutricionistas

O acompanhamento nutricional pós Acidente Vascular Cerebral se faz de extrema importância, sendo iniciado no momento da alta hospitalar, a fim de aproveitar um momento de oportunidade que o organismo oferece na recuperação. 

A nutrição adequada promove benefícios tanto na prevenção da perda da massa muscular, que será de grande valia no trabalho do fisioterapeuta, quanto para potencializar o processo de cicatrização dos tecidos lesionados e oferecer um ambiente favorável à recuperação neural.

Cuidadores

É importante ter em mente que, quando a pessoa está lúcida, ela também se sente mal pela própria condição em que está. Diante disso, os familiares precisam levar em conta a saúde mental dos pacientes. Isso é: tentar ao máximo estabelecer uma rotina de cuidados que contemple suas necessidades de forma humanizada – trazendo, para dentro do dia a dia de reabilitação, bem estar e qualidade de vida. 

Mas acontece que, muitas vezes, o planejamento e execução da rotina e a garantia da assistência ao paciente, acaba sobrecarregando os familiares. E para tal, a presença de um cuidador especializado se torna essencial junto a equipe multiprofissional, tendo como objetivo garantir que o paciente seja, de fato, bem assistido. 

Cuidados com a higiene, alimentação, medicação e tudo aquilo encaixado no tratamento precisa ser realizado com organização. Assim, o paciente se sente mais seguro com os horários estabelecidos e o cuidador consegue administrar o dia a dia de maneira mais saudável – auxiliando, também, os familiares a lidarem com a situação de forma mais amena. 

Além disso, no planejamento da rotina, é interessante haver atividades que possam ocupar a mente do paciente – como ler trechos de livros, sugerir alguns trabalhos manuais, promover jogos em família e até mesmo visitas de outros familiares. Nesses casos, o cuidador também é de extrema importância, pois os familiares nem sempre têm tempo para se dedicar a essas questões – que, para o paciente, são importantes para sua autoestima e saúde como um todo. 


Gestão especializada de uma empresa de Home Care

Também chamado de Atenção Domiciliar, o serviço de Home Care tem caráter substitutivo ou complementar às intervenções hospitalares – garantindo a promoção da saúde ou a continuidade dos cuidados necessários para o quadro clínico do paciente, sendo comprovadamente eficiente para atendimentos de curta ou longa duração.  

Essa modalidade permite a desospitalização precoce dos pacientes sem trazer prejuízos ao tratamento, além de permitir o acompanhamento eficiente de diversos profissionais da saúde – evitando, assim, internações recorrentes por conta dos agravos das condições crônicas. Além disso, o atendimento de Home Care também proporciona uma maior autonomia e independência através de adaptações de funções e participação social.

Na Personale Saúde, o Home Care conta com profissionais especializados em fisioterapia, fonoaudiologia, enfermagem, fisiatria, e toda a equipe multidisciplinar necessária para o acompanhamento da doença. Esses cuidados, realizados no ambiente em que o paciente se sente seguro e confortável, são ainda mais eficientes e trazem consigo maiores chances de uma recuperação mais rápida. Tudo isso contando, também, com o acompanhamento e monitoramento domiciliar dos cuidadores de idosos – que proporcionam maior atenção, praticidade e assistência. 


Segurança no atendimento do paciente com AVC

Proporcionar cuidados e atenção às necessidades da pessoa, enxergando além do adoecimento, é a ideia central do trabalho do Home Care na Personale Saúde. Em sua essência, o Home Care é uma forma de devolver ao paciente a sua vida familiar e pessoal, com a possibilidade de uma rotina doméstica adaptada às limitações de cada um.

Nosso atendimento domiciliar permite que seu familiar receba um atendimento totalmente personalizado de acordo com suas necessidades e expectativas. Ou seja, as atividades do dia a dia são realizadas e estabelecidas conforme a disponibilidade e a disposição do paciente – diferentemente de residenciais e clínicas geriátricas que possuem uma agenda de tarefas e compromissos com horários pré-definidos.

Nesse cenário, a assistência domiciliar é voltada para pacientes com necessidade de cuidados pontuais de serviços de saúde – como para realização de curativos, administração de medicamentos e outros procedimentos executados, preferencialmente, por técnicos de enfermagem ou enfermeiros.

Em outros casos, a modalidade necessária parte do programa de assistência multiprofissional, voltado ao paciente com necessidade de serviços como consultas especializadas, atividades terapêuticas, fonoaudiologia, fisioterapia, nutricionista, entre outros (como citados anteriormente). Pois na Personale Saúde, o objetivo é garantir a segurança e continuidade do atendimento para todas as modalidades de atenção.


Cuidador de idosos especialista em AVC

Para concluir, enfatizamos que, no caso do AVC, o paciente inevitavelmente necessita de um acompanhamento profissional – principalmente para lidar com as sequelas e a possível imobilidade do idoso. 

Diante disso, nossa Avaliação Multidimensional do Idoso, aliado ao nosso rigoroso processo seletivo, identifica a carência individual de cada paciente e traça o perfil adequado do profissional cuidador que irá prestar o serviço. Esse método nos auxilia a potencializar a assertividade na escolha do profissional para cuidar de seu familiar.

Nossa equipe de cuidadores de idosos, em sua totalidade, possui, no mínimo, curso de cuidador de idosos em modalidade presencial (não aceitamos cursos à distância). Também possuímos muitos cuidadores de idosos que estão em formação técnica em enfermagem, ou ainda, graduação em enfermagem.

Além da formação inicial, realizamos cursos gratuitos mensais com nossa equipe de cuidadores de idosos, a fim de capacitá-los em assuntos pertinentes ao atendimento domiciliar com diversas doenças e cuidados – tornando-os capacitados para atender em múltiplas e diferentes patologias. 

E caso não haja adaptação do profissional no cuidado com o seu familiar, ou qualquer outra situação em que não esteja de acordo, você pode solicitar a substituição do cuidador de idosos, sem custo. Aqui na Personale Saúde, nosso foco é o atendimento humanizado e a promoção do bem estar para o paciente e toda a sua família. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Quero Contratar