• 6 de outubro de 2021
  • joseguterres
  • 1

A Doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência do mundo, caracterizada por levar ao declínio as habilidades como memória, pensamento e raciocínio – conforme o estágio da doença. Representa, hoje, o motivo de sessenta a 70% dos casos de demência e suas causas não são totalmente compreendidas.

Definida como uma doença neurodegenerativa crônica, a doença de Alzheimer manifesta-se de forma lenta e vai se agravando ao longo do tempo. O sintoma inicial mais comum é a perda de memória a curto prazo, com dificuldade de lembrar acontecimentos recentes. À medida que a doença evolui, o quadro de sintomas aumenta, e a demanda de cuidados também.

No entanto, os primeiros sintomas da doença muitas vezes não são devidamente identificados, o que pode levar ao atraso do diagnóstico e da devida orientação do paciente e sua família. Portanto, conhecer as fases do Alzheimer ajuda a família a identificar os sinais da doença de forma mais precoce e garantir um acompanhamento adequado à pessoa afetada.


Quais as fases da doença de Alzheimer?

Assim, a evolução da doença pode ser didaticamente dividida em quatro fases:

Fase 1 – Pré-demência:

Nessa fase os sintomas se apresentam de forma sutil e muitas vezes são compreendidos como naturais do envelhecimento ou frutos do estresse. Perda de memória recente, apatia, irritabilidade, sintomas depressivos e mudanças na atenção estão entre os sintomas.

É fundamental que quando há suspeita do Alzheimer procurar um médico especialista rapidamente para obtenção do diagnóstico e início do tratamento.

Fase 2 – Estágio Leve:

Muitos consideram esse estágio como a fase 1 da doença. Aqui os sintomas percebidos na pré-demência se agravam. O paciente pode ter dificuldades para encontrar palavras, ficar desorientado no tempo e espaço e ter dificuldades para tomar decisões. 

Fase 3 – Estágio Intermediário:

Nesse estágio os sintomas ficam evidentes, podendo dificultar o dia a dia e a realização da rotina. Esquecimento de fatos marcantes, de pessoas próximas, dificuldades com higiene pessoal e autocuidado, incapacidade de cozinhar e cuidar da casa, dificuldade na comunicação, alucinações e alterações no comportamento se manifestam.

Fase 4 – Estágio avançado (terminal):

O estágio terminal se caracteriza pelo prejuízo gravíssimo de memória, incapacidade de registrar dados e muita dificuldade em recuperar informações antigas. Outros sintomas são a dificuldade em deglutir, incontinência urinária e fecal, comportamento inadequado intensificado, dificuldades motoras.


Cuidados para os portadores de Alzheimer

Em função disso, conforme a doença vai evoluindo, é importante que alguns cuidados sejam estabelecidos na rotina. Para preservar a saúde do paciente e conseguir, ao máximo, promover a ele qualidade de vida. 

Esses cuidados incluem:

  • Estímulo para o cérebro:

Montar quebra-cabeças, ver um álbum de fotografias ou ler um livro, podem ser mais que meros passatempos para um paciente com Alzheimer. São exercícios que estimulam as funções cerebrais e auxiliam a treinar a linguagem, a memória e a fazer pequenas tarefas. As atividades podem ser feitas individualmente (em sessões de terapia, por exemplo) ou em grupo.

  • Profissional especializado:

Devido à redução na mobilidade do paciente de Alzheimer, dificuldades para andar, controlar os estímulos, se movimentar ou manter o equilíbrio são bem frequentes. Tendo isso em mente, o acompanhamento de um profissional especializado pode proporcionar ao paciente uma rotina com atividades físicas que auxiliam na disposição, no humor, e na prevenção de quedas e dores decorrentes da demência. 

Programas individualizados de atividade física são benéficos para a funcionalidade de pessoas com DA leve a moderada.Nesse tópico, é interessante buscar por atividades como natação, pilates, caminhadas e até mesmo dança – mas claro, sempre algo que seja do interesse do paciente. 

  • Segurança ao paciente:

As confusões mentais e lapsos de memória decorrentes do Alzheimer podem colocar a segurança do paciente em risco. Minimize os contratempos com medidas simples: informe vizinhos e amigos do estado do paciente para que, se necessário, eles o ajudem.

O ambiente familiar, para o paciente, lhe garante segurança e confiança – algo bastante importante dentro de suas limitações. Por isso, optar pela contratação de um cuidador de idosos proporciona manter o paciente em casa, ao invés da instituição, um fator mais seguro até mesmo para os familiares.  

  • Alimentação para o paciente com Alzheimer:

A nutrição adequada a cada paciente deve ser orientada por um especialista. Os idosos podem necessitar de uma maior oferta de proteínas: carnes brancas, como peixe e aves; carnes vermelhas magras; leite desnatado; carboidratos e reguladores, fontes de vitaminas e minerais (vegetais, frutas e legumes).

Por isso, junto a equipe multidisciplinar, a presença de um nutricionista também é indispensável. 

  • Medicação, tratamento adequado e orientação:

Como dito acima, a doença de Alzheimer não tem cura. No entanto, se diagnosticada no início, o tratamento adequado retarda o avanço e ameniza os sintomas. O SUS disponibiliza várias terapias, incluindo a medicamentosa, e o médico deve indicar a mais adequada de acordo com cada paciente. Atualmente, já existem opções de tratamento de fácil administração que causam menos efeitos colaterais.

É importante contar com a presença de especialistas para tirar todas as dúvidas e garantir, sempre, a melhor opção de tratamento para cada caso.


Qual a equipe médica indicada para acompanhar o portador de Alzheimer?

Os geriatras são os médicos que mais têm contato com a doença de Alzheimer.

Mas para que o tratamento tenha um bom andamento, é necessário uma equipe multiprofissional para acompanhar o paciente

No que se refere ao diagnóstico, os neurologistas e psiquiatras são os profissionais responsáveis. Essas especialidades são muito importantes para melhorar o bem-estar do paciente – começando pelo diagnóstico correto, diferenciando a doença de Alzheimer de outros tipos de demências, por exemplo.

No mais, profissionais das áreas de fisiatria, fonoaudiologia, nutrição, cuidados paliativos, psicologia e enfermagem também são fundamentais na rotina do paciente e dos familiares. 


Cuidador de idosos especializados

Além desses profissionais citados, há um profissional que é essencial e deve estar presente desde o diagnóstico da doença: o cuidador de idosos

Esse profissional garante que o paciente seja, de fato, bem assistido em seu dia a dia – o que também ajuda os familiares a compartilharem a sobrecarga com alguém especializado no cuidado e acompanhamento.

O cuidador de idosos é preparado para observar e agir de acordo com as necessidades de cada paciente. Ele se ocupa no acompanhamento de todas as atividades diárias do idoso e, no caso daqueles com DA, o cuidador sabe como garantir os horários adequados para medicação e alimentação, como elaborar uma rotina de cuidados e como enfrentar as alterações de comportamento e das funções cognitivas e físicas.

Vale lembrar que esse papel é de extrema relevância e demanda muita paciência. São comuns atitudes agressivas por parte do paciente, pois ele se sente confuso com as próprias limitações. Nesse sentido, o cuidador pode contribuir até mesmo para que os relacionamentos afetivos entre familiares sejam preservados.


Onde buscar ajuda

Diante das dificuldades enfrentadas nas diferentes fases do Alzheimer, e como mencionamos no tópico acima, o acompanhamento do cuidador de idosos para os pacientes com demência pode melhorar significativamente a qualidade de vida tanto do idoso quanto da família. 

Junto a isso, a Personale Saúde, ao longo de seus 25 anos de trabalho, conseguiu acompanhar de perto as dificuldades enfrentadas pelos familiares que cuidam do paciente. Hoje , afirmamos com tranquilidade que a Personale Saúde é a melhor alternativa para aqueles que precisam cuidar de pacientes com Alzheimer. 

A nossa equipe multidisciplinar de saúde, através de uma abordagem profissional e qualificada, abrange as necessidades decorrentes da demência e acompanha o dia a dia da família – proporcionando uma rotina de cuidados que auxilia a família e o paciente a lidarem com a doença, e suas diversas fases, de forma mais amena.

Além dos cuidadores, nossa equipe multidisciplinar conta com fisioterapeutas, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicólogos, dentistas e outros especialistas, para garantir o melhor cuidado com o doente no conforto de casa, próximo da família.

Na Personale, são mais de 300 pacientes atendidos e mais de 800.000 horas de atendimento com Alzheimer. Nossa atuação tem foco no cuidado humanizado, estimulando a autonomia dos pacientes com respeito às suas necessidades e capacidades.

1 comment on “Quais as fases da doença de Alzheimer?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Quero Contratar